setembro 15, 2019

Sobre

Acredito que todas as pessoas trazem um sopro que as move e que se sentem felizes quando seguem pelo caminho que lhes foi preparado por uma força superior.

Bem cedo descobri o quanto me importava com as pessoas, com desenvolvimento e aprendizagem. Se brincava de “professora” quando pequena, por admirar as pessoas que ali estavam para me ajudar a descobrir “um mundo” novo a cada aula, esse interesse só aumentou conforme descobri o quanto os conhecimentos podem mudar a vida das pessoas. É claro, lecionar foi minha primeira experiência na rede pública do Rio de Janeiro, então, capital do Brasil, e a profissão do magistério era tão reconhecida que minha formatura ocorreu no Teatro Municipal e a festa foi no Copacabana Palace, locais destacados da Cidade Maravilhosa.

Eu era jovem e conheci alguém que tinha ideais que combinavam com os meus. Juntos fizemos planos de reunir saúde e educação, então, eu me casei e estudei psicologia. Conforme a gente se aprofunda nos estudos, descobre que pode fazer mais e os desafios passam a ser um atrativo para seguir estudando e intervindo nas necessidades que se observa naqueles assuntos que começamos a desvendar. Mudar para Poços de Caldas, Minas Gerais, foi uma decisão que combinou com a chegada do primeiro filho e com o segundo e o terceiro, mineiros bem recebidos numa cidade acolhedora onde fizemos amigos e parceiros. O entusiasmo não se limitou a Poços de Caldas. Logo estávamos realizando eventos com apoio da Associação Brasileira de Neuropsicologia, com a Abenepi, com as universidades que se interessavam também por pesquisas, capacitação e atualização. Muitos anos de Congressos de Neuropsicologia e Aprendizagem aconteceram, assim como dezenas de livros organizados para colaborar com o desenvolvimento em saúde, educação e com o trabalho dos profissionais ligados a essas profissões, então, logo passamos a chamá-lo de Congresso Interdisciplinar, reunindo profissionais, estudantes e interessados de todo o país e até do exterior. A Cidade das Rosas se tornou referência em estudos neuro científicos, o número de faculdades aumentou bastante na cidade e na região e os políticos colaboravam apontando a importância dos eventos e até ajudando a promove- los.

Sabemos que os pais fazem o melhor que podem por seus filhos (sou mãe de três filhos e sete netos que adoro)! Mas muitos pais se debruçam em outras atividades e não se dedicaram aos estudos sobre temas necessários para seus filhos, como eu consegui realizar sobre desenvolvimento e aprendizagem (doutorado em Ciências, mestrado em Psicologia Escolar e Educacional, Especialização em Clínica, em Psicopedagogia e em Psicologia do Sono, MBA em Gestão de Pessoas, entre outros). E os professores? Claro que querem o melhor para seus alunos! É uma realização conseguir desabrochar sorrisos e sucessos! Mas eles precisam de ferramentas adequadas para acompanhar as mudanças que ocorrem em ritmo acelerado, especialmente, a partir dos anos 90, que ficaram conhecidos como a “Década do cérebro”. A tecnologia fez avançar os recursos, em todo o mundo, para investigar e comunicar descobertas científicas. Esse fantástico desenvolvimento colaborou com a compreensão de distúrbios de aprendizagem e com a inclusão de pessoas com necessidades especiais. Entretanto, a formação dos professores ainda carece de recursos práticos na sala de aula para atuarem na Educação no formato agora recomendado pela Base Nacional Curricular Comum (BNCC). Muitos estudos precisam ser feitos, mas já alcançamos respostas com as experiências de muitos anos em contato com competentes especialistas que participaram nos livros, nas pesquisas, nos eventos, enfim, na vontade de realizar mudanças pela qualidade de vida, pelo caminho do conhecimento, que precisa ser valorizado através da Educação.

Educação Integral é a proposta que se dirige ao desenvolvimento como um todo, em todas as dimensões: intelectual, física, emocional, social e cultural. Assim, na Educação Integral os conteúdos acadêmicos se articulam aos saberes dos alunos e comunidades, dialogam com diferentes linguagens e experiências formativas que envolvem o conhecimento do corpo, das emoções, das relações e códigos socioculturais, não, apenas, os conteúdos básicos como a alfabetização.

A alfabetização constitui hoje uma das mais importantes ferramentas no exercício da cidadania. O indivíduo alfabetizado pode ter acesso aos bens culturais e interferir em seu ambiente. A capacidade de comunicação entre as pessoas através de leitura e escrita distinguem o homem, sua cultura, sua possibilidade de se organizar, pensar e de fazer escolhas. Em função da importância que a alfabetização tem na vida do ser humano, justifica-se o empenho em garantir a todas as crianças uma formação de qualidade.

Garantir o direito da alfabetização para todas as crianças no início de sua escolaridade é um grande passo para o sucesso escolar. Em Lueduca esse é o nosso primeiro passo, com a apresentação do trabalho: Revolução das Letras com a Turma do Futuro Verde, personagens que abrem espaço para a participação de “Todos” em nossa sociedade, com recursos atuais para atender à motivação infantil e necessidades em seu desenvolvimento.